Um novo método para monitorar a estabilidade do solo em minas a céu aberto do espaço


Mina de carvão a céu aberto em Garzweiler, Alemanha. (Imagem de Herbert2512, Pixabay).

Pesquisadores da Alemanha e da China estão usando dados da missão Sentinel 1 do programa de observação da Terra Copernicus da União Europeia para monitorar a estabilidade do solo em minas a céu aberto.

Em um estudo publicado no International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, os cientistas explicam que usaram um método especial de radar, o Synthetic Aberture Radar Interferometry (InSAR), para investigar regiões de lignito na Renânia do Norte-Vestfália, na Alemanha.

O método InSAR em si não é novo e é usado em muitos lugares para detectar deformações do solo, seja após terremotos ou subsidência devido aos reservatórios de água subterrâneos. No entanto, o método tem uma desvantagem: satélites InSAR, como ERS ou ENVISAT, registram apenas uma determinada região, em média, uma vez por mês ou menos.

Mas quando os pesquisadores combinaram os dados do InSAR com os fornecidos pela missão Sentinel 1, que tem um intervalo de tempo de repetição de seis dias e um pequeno tubo orbital, eles foram capazes de investigar perigos em áreas de mineração muito específicas na Alemanha quase em tempo real e com muito mais detalhes em termos de tempo e espaço do que antes.

Mahdi Motagh, um dos autores do estudo do Centro Alemão de Pesquisa de Geociências GFZ, explicou que a missão também é capaz de fornecer uma visão abrangente da situação na indústria de mineração.

“Ao combinar os resultados desta nova tecnologia com outras medições no local e sistemas SAR de alta resolução, como o alemão TerraSAR-X, o risco geotécnico de minas a céu aberto pode ser avaliado muito mais completamente do que antes”, disse Motagh em uma declaração de mídia.

O trabalho de Motagh e seus colegas mostrou que há subsidência significativa de terras nas áreas de mineração a céu aberto de Hambach, Garzweiler e Inden. A razão para isso é o processo de compactação de estéril sobre áreas recarregadas com taxas de subsidência que variam entre 30-50 centímetros por ano nesses distritos de mineração.

Os dados de satélite também revelaram uma mudança horizontal significativa de até 12 centímetros por ano em uma das faces da mina. Da mesma forma, os antigos poços abertos Fortuna-Garsdorf e Berghein na parte oriental dos campos de carvão do Reno, que já foram recuperados para a agricultura, exibem taxas de subsidência de até 10 centímetros por ano.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP