• Mining.com

Testes de mineração em alto mar são retomados enquanto robô perdido é resgatado


Patania II estava operando a uma profundidade de 2,8 milhas na Zona Clarion-Clipperton - uma extensão de oceano entre o Havaí e o México que é tão grande quanto os Estados Unidos continentais (Imagem da Global Sea Mineral Resources.)

A Global Sea Mineral Resources (GSR) da Bélgica retomou os testes que podem levar à mineração de minerais de bateria no fundo do Oceano Pacífico depois que conseguiu recuperar um robô preso a uma profundidade de milhares de metros.

A empresa informou que seu Patania II, um protótipo de robô de mineração de 25 toneladas, se desacoplou de um cabo de 5 km de comprimento conectando-o à superfície.

A unidade do Grupo DEME da Bélgica está com um grupo de cientistas europeus para determinar os impactos ambientais da mineração em alto mar. Eles estão trabalhando na concessão do GSR na Zona Clarion Clipperton.

“É irônico que uma indústria que quer extrair metais do fundo do mar acabe jogando-os lá”, disse Sandra Schoettner, bióloga de águas profundas do Greenpeace Alemanha, em um comunicado. “Esta falha operacional flagrante deve atuar como um aviso gritante de que a mineração em alto mar é um risco muito grande.”

“Estamos adotando uma abordagem cautelosa e passo a passo para o desenvolvimento de projetos. Conduzimos esses testes para entender melhor os desafios envolvidos para que possamos refinar continuamente nossa tecnologia”, disse Kris Van Nijen, diretor administrativo da GSR, em seu comunicado à mídia. “O protótipo funcionou bem e os aprendizados serão levados para a próxima fase de desenvolvimento. É um trabalho pioneiro de engenharia e estávamos preparados para múltiplas eventualidades”, destacou.

Antes do incidente desta semana, Patania II havia coletado rochas do tamanho de batatas chamadas de "nódulos polimetálicos", que são ricas em manganês, cobalto-níquel e terras raras do fundo do mar.

A mineração do fundo do oceano foi promovida como uma alternativa à mineração terrestre, uma vez que a demanda por minerais necessários para a transição da energia verde, como cobalto e níquel, deve exceder as taxas de produção atuais até 2030.

O DEME Group está entre um grupo de empresas, incluindo DeepGreen Metals, Lockheed Martin e China Minmetals Corp., liderando movimentos para extrair metais necessários para veículos elétricos e tecnologias verdes.

Os regulamentos para apoiar a atividade emergente ainda precisam ser acordados pela Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISA). O corpo de 167 países apoiado pela ONU já emitiu contratos de exploração para 21 empresas, mas elas não podem começar a minerar até que a regulamentação seja aprovada.

Uma equipe internacional de pesquisadores publicou em 2018 um conjunto de critérios para ajudar o ISA a proteger a biodiversidade das atividades de mineração em alto mar enquanto prepara regras globais.

De acordo com o US Geological Survey, o mar profundo representa mais da metade da superfície do mundo e contém minerais em concentrações várias vezes maiores do que as encontradas em todas as reservas terrestres combinadas.

Cientistas e exploradores também identificaram crostas ricas em cobalto, localizadas mais rasas do que nódulos e sulfatos. Relatórios recentes, incluindo um encomendado pelo Painel de Alto Nível para uma Economia do Oceano Sustentável (Ocean Panel), pediram mais pesquisas para preencher as lacunas de conhecimento antes que qualquer mineração no fundo do mar seja permitida. Eles também argumentaram sobre a necessidade de definir zonas protegidas em todas as regiões oceânicas sob a jurisdição do ISA.

O Parlamento Europeu apelou também à proibição da mineração no fundo do mar até que os impactos ambientais e os riscos de perturbar os ecossistemas únicos de profundidade sejam compreendidos.

Na resolução, aprovada há três anos, os legisladores também instaram a Comissão Europeia a persuadir os Estados membros a parar de patrocinar e subsidiar licenças para explorar e explorar o fundo do mar em águas internacionais, bem como em seus próprios territórios.

Os conservacionistas recomendam que os países incentivem a reciclagem de metais de bateria para reduzir a necessidade de encontrar novos suprimentos.

Os defensores da atividade, no entanto, argumentam que a extração de metais de bateria do fundo do oceano poderia potencialmente eliminar, ou reduzir drasticamente, a maioria dos impactos ambientais e sociais associados à extração de riquezas da superfície da Terra.

Posts Em Destaque
Posts Recentes