• Mining.com

Luxemburgo criará centro de mineração espacial na Europa


Arte criada pela NASA.

Luxemburgo está intensificando os esforços para atingir o seu objetivo de se tornar o centro europeu para a mineração espacial ao anunciar planos para criar um Centro Europeu de Inovação de Recursos Espaciais (ESRIC), encarregado de lançar as bases para a exploração de recursos extraterrestres.

Em colaboração com a Agência Espacial Europeia (ESA), Luxemburgo pretende tornar o centro uma entidade internacionalmente reconhecida de especialização em aspectos científicos, técnicos, comerciais e econômicos relacionados ao uso de recursos espaciais, incluindo água e metais na lua e minerais em asteroides.

O centro, com sede em Luxemburgo, também deverá contribuir para o crescimento econômico apoiando iniciativas comerciais e start-ups, oferecendo um componente de incubação de empresas e permitindo a transferência de tecnologia entre as indústrias espaciais e não espaciais.

A minúscula nação europeia é um dos países mais ricos da zona do euro e já possui uma indústria espacial de longa data, desempenhando um papel significativo no desenvolvimento das comunicações por satélite.

Embora seu esforço para se tornar um ator significativo na indústria de mineração de asteroides tenha apenas quatro anos, o país já deu passos importantes para atingir essa meta.

Em junho de 2016, Luxemburgo concordou em comprar uma participação importante na mineradora de asteroides com sede nos EUA, Planetary Resources.

O país também anunciou a abertura de uma linha de crédito de € 200 milhões (US $ 225 milhões) para que empresas espaciais empreendedoras instalem suas sedes europeias dentro de suas fronteiras.

Anteriormente, o governo havia chegado a um acordo com outra empresa sediada nos Estados Unidos, a Deep Space Industries, para enviar missões de prospecção de água e minerais no espaço sideral. Ambas as partes estão atualmente desenvolvendo o Prospector-X, uma nave espacial pequena e experimental que testa tecnologias de prospecção e mineração de asteroides próximos à Terra a partir de 2021.

Luxemburgo não parou por aí. Em 2018, criou sua própria Agência Espacial (LSA) para impulsionar a exploração e a utilização comercial de recursos de Objetos Próximos à Terra.

A administração de Luxemburgo também criou um quadro jurídico para a exploração dos recursos espaciais. A lei, aprovada em 2017, diz que as empresas privadas podem ter direito aos recursos que exploram no espaço sideral, mas não podem possuir corpos celestes.

O único órgão jurídico internacional disponível até então datava de 1967. O Tratado do Espaço Exterior, assinado pelos Estados Unidos, Rússia e vários outros países, diz que as nações não podem ocupar nem possuir território no espaço.

“O espaço sideral estará livre para exploração e uso por todos os Estados”, diz o tratado, acrescentando que “o espaço sideral não está sujeito à apropriação nacional por reivindicação de soberania, por meio de uso ou ocupação, ou por qualquer outro meio.”

Os Estados Unidos também estão trabalhando para definir suas próprias regras. O ex-presidente Barack Obama assinou em 2015 uma lei que concede aos cidadãos americanos direitos aos recursos próprios extraídos no espaço.

A regra inovadora foi apontada como um grande impulso para a mineração de asteroides porque incentivou a exploração comercial e a utilização de recursos de asteroides obtidos por empresas americanas.

Essa lei incluía uma cláusula muito importante, esclarecendo que os cidadãos dos EUA não receberam "soberania ou direitos exclusivos ou jurisdição sobre, ou a propriedade de, qualquer corpo celeste.”

O presidente Donald Trump assinou uma ordem em abril encorajando os cidadãos a minerar a Lua, estrelas e outros planetas com fins comerciais.

A diretiva classifica o espaço sideral como um “domínio legal e fisicamente único da atividade humana”, em vez de um “bem comum global”, abrindo caminho para a mineração da lua sem qualquer tipo de tratado internacional.

“Os americanos deveriam ter o direito de participar da exploração comercial, recuperação e uso de recursos no espaço sideral”, afirma o documento, observando que os Estados Unidos nunca assinaram um acordo de 1979 conhecido como Tratado da Lua. Este acordo estipula que todas as atividades no espaço devem estar em conformidade com o direito internacional.

A agência espacial russa Roscosmos rapidamente condenou a jogada de Trump, comparando-a ao colonialismo.

“Já houve exemplos na história em que um país decidiu começar a tomar territórios de seu interesse - todos se lembram do que resultou disso”, disse o vice-diretor geral de cooperação internacional de Roscosmos, Sergey Saveliev, em maio.

A Rússia vem buscando planos nos últimos anos para retornar à lua, potencialmente viajando mais para o espaço sideral.

O governo revelou em 2018 que planejava estabelecer uma base de longo prazo na Lua nas próximas duas décadas, enquanto o presidente Vladimir Putin prometeu lançar uma missão a Marte "muito em breve".

A NASA está trabalhando em bases lunares que podem viajar sobre rodas, ou mesmo pernas, aumentando a segurança da zona de aterrissagem, fornecendo redundância de equipamentos e aumentando as chances de fazer descobertas importantes.

A estrutura legal global da NASA para mineração na lua, chamada de Acordos Artemis, seria o mais recente esforço para atrair aliados ao plano da agência de colocar humanos e estações espaciais no corpo celeste na próxima década.

Também se alinha com várias iniciativas públicas e privadas para cumprir o objetivo de extrair recursos de asteróides, da lua e até de outros planetas.

Trump teve um interesse consistente em afirmar o poder americano além da Terra, formando a Força Espacial dentro das forças armadas dos EUA no ano passado para conduzir a guerra espacial.

A NASA recentemente fez uma chamada solicitando ofertas de exploradores de qualquer lugar da Terra que estivessem dispostos a financiar suas próprias viagens à Lua e coletar amostras de solo ou rocha sem realmente retornar o material à Terra. O esforço visa estabelecer um precedente legal para a mineração na superfície lunar que permitiria à NASA coletar materiais úteis para colônias na lua e, eventualmente, em outros planetas.

A agência espera começar a minerar a Lua já em 2025, especialmente depois de encontrar evidências de que o satélite natural da Terra pode, sob sua superfície, ser mais rico em metais do que se pensava anteriormente.

A NASA lançou outra iniciativa para impulsionar a exploração na lua - O Desafio Lunar Break the Ice.

O concurso convoca pessoas com ideias e abordagens para uma arquitetura de sistema capaz de escavar e mover rególitos gelados e água no Pólo Sul lunar.

As inscrições irão competir por uma parte do prêmio de $ 500.000 na Fase 1 e $ 4,5 milhões na segunda fase.

Os geólogos há muito destacam o valor mineral dos asteroides. Eles dizem que os corpos são embalados com minério de ferro, níquel e metais preciosos em concentrações muito maiores do que as encontradas na Terra, compondo um mercado avaliado em trilhões.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2021 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP