De Beers aumenta os preços dos diamantes pela primeira vez desde a pandemia


A De Beers aumentou os preços dos diamantes pela primeira vez desde o início da pandemia global, sinalizando uma crescente confiança em uma recuperação da indústria em dificuldades.

Os preços aumentaram cerca de 2% a 3% na venda final da gigante de diamantes do ano passado, de acordo com pessoas familiarizadas com a situação que pediram para não serem identificadas porque a informação é privada. É a primeira vez que a De Beers consegue começar a reverter cortes acentuados feitos no início deste ano.

A indústria de diamantes está mostrando sinais de recuperação após uma paralisação no primeiro semestre, quando o coronavírus destruiu a demanda. O leilão da semana passada da De Beers provavelmente será sua terceira venda consecutiva, ultrapassando US $ 400 milhões, disseram as pessoas. Em comparação, o monopólio único vendeu apenas US $ 50 milhões durante todo o segundo trimestre.

Os compradores de diamantes em bruto têm reposto os estoques antes do período de vendas mais importante da indústria, que vai do Dia de Ação de Graças ao Ano Novo Chinês. Ainda assim, depois de comprar quase nada na primeira metade do ano, não está claro quanto disso está sendo alimentado pela demanda do consumidor final.

“As ações de diamantes estão incrivelmente baixas”, disse Anish Aggarwal, sócio da empresa de consultoria especializada Gemdax. “Menos bruto do que o exigido foi vendido, e mais polido do que o esperado foi vendido aos varejistas. O apetite do consumidor por joias tem sido bom, especialmente porque eles não podem gastar em itens experienciais, como viagens.”

Depois de resistir a maior parte do ano, a De Beers e a rival russa Alrosa cortaram os preços em agosto, reativando o setor. A De Beers espera que as fortes vendas de fim de ano permitam que continue a desfazer sua redução de preço de quase 10% no início do próximo ano.

“Vimos desestocagem tanto no meio quanto no fluxo abaixo. Mais do que qualquer outro momento, estou ciente e certamente mais desde 2008”, disse Mark Cutifani, CEO da Anglo American, controladora da De Beers, na sexta-feira (18/12/2020). “Estou esperando que os preços melhorem. Espero que façamos muito melhor.”

Para que o setor mantenha uma recuperação, os participantes do mercado dizem que as maiores mineradoras devem manter a disciplina sobre quanto produzir e vender após acumular bilhões de dólares em estoques este ano.

Na semana passada, a Anglo reduziu suas projeções de produção para os próximos dois anos, sinalizando sua intenção de manter a oferta restrita.

“Certamente não contribuiremos para o excesso de oferta”, disse Cutifani. “Não vamos aumentar a produção lá fora, a menos que estejamos confortáveis, os preços vão aumentar.”

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2021 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP