Uranium One visa 10% do mercado de lítio até 2030


A planície de sal do Atacama no Chile, lar dos principais produtores de lítio Albemarle e SQM, é responsável por cerca de um terço do abastecimento mundial.

A Uranium One, uma unidade da empresa estatal russa de energia nuclear Rosatom, planeja começar a produzir lítio até 2023, visando entre 9% e 10% do mercado global até 2030.

“Estamos considerando a aquisição de ativos de matéria-prima no exterior para integração nas cadeias de fornecimento globais de produtos finais, como baterias com produção localizada na Rússia”, disse Sergey Polgorodnik, diretor geral da Joint Stock Co. TENEX, em uma publicação de notícias internas.

O Uranium One tem procurado por ativos de lítio desde o ano passado. Em outubro, assinou um memorando de entendimento com a Canada’s Wealth Minerals sobre a aquisição de até 51% de participação no projeto da empresa de lítio no Atacama, no norte do Chile.

O ativo estende uma licença de 46.200 hectares em uma das maiores fontes de metal branco do mundo, que se tornou um componente insubstituível de baterias recarregáveis ​​usadas em dispositivos de alta tecnologia e veículos elétricos (VEs).

A planície de sal do Atacama no Chile, lar dos principais produtores de lítio Albemarle e SQM, é responsável por cerca de um terço do suprimento mundial do metal para bateria.

Em dezembro de 2019, a Uranium One iniciou negociações com a Prospect Resources da Austrália para comprar uma participação na mina de lítio Arcadia da empresa no Zimbábue.

O Zimbábue tem promovido o lítio como uma grande atração para os investidores, uma vez que parece suprir 10% das necessidades do mundo até 2022. O país é atualmente o quinto maior produtor global do metal.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP