• Mining.com

União Europeia deve garantir acesso a 30 matérias-primas críticas


A União Europeia lançou uma iniciativa que visa garantir o acesso a um total de 30 matérias-primas críticas, aumentando a produção nacional e promovendo a reciclagem de elementos vitais, especialmente terras raras.

A European Raw Materials Alliance (ERMA), uma parceria de mais de 300 empresas, associações comerciais e governos, se concentrará inicialmente em quebrar a dependência da Europa das importações da China e de outros países ricos em recursos.

A UE importa cerca de 98% das terras raras da China. A Turquia fornece 98% de seu borato, enquanto o Chile atende a 78% das necessidades de lítio da Europa. A África do Sul fornece 71% de sua platina e o Brasil fornece 85% do nióbio, uma parte crucial das ligas de aço usadas em motores a jato, vigas mestras e oleodutos.

“A tarefa mais importante da ERMA é garantir o fornecimento de matérias-primas na Europa, identificando oportunidades de investimento para acesso sustentável e socialmente responsável às matérias-primas na Europa de fontes primárias e secundárias”, disse o presidente-executivo do EIT RawMaterials, Bernd Schäfer, em comunicado à mídia.

O estoque de materiais essenciais da UE cresceu em 2011 em resposta ao aumento dos preços das commodities e mais do que dobrou na última década. Em setembro, o órgão sediado em Bruxelas, na Bélgica, adicionou lítio, bauxita, titânio - usados ​​na indústria aeroespacial e para implantes ortopédicos - e estrôncio - um ingrediente para ímãs EV - à lista.

O grupo de 27 nações precisará de cerca de 60 vezes mais lítio e 15 vezes mais cobalto para baterias de veículos elétricos (VE) e armazenamento de energia até 2050, estimam analistas. Prevê-se que a procura de terras raras na UE, utilizadas em dispositivos de alta tecnologia e aplicações militares, aumente 10 vezes no mesmo período.

A Europa poderia rapidamente se tornar independente em alguns dos materiais identificados como críticos. “Para o lítio, necessário para baterias e armazenamento, estamos confiantes de que seremos 80% autossuficientes até 2025”, disse o comissário da UE Maroš Šefčovič em uma conferência virtual.

Ele observou que cerca de 15 novas fábricas de células de bateria, ou gigafábricas, estavam sendo construídas em toda a Europa, incluindo na Itália, França, Alemanha, Hungria, Polônia, Eslováquia e Suécia, que deveriam fornecer células suficientes para alimentar pelo menos 6 milhões de VEs em menos de cinco anos.

Os membros da UE enfrentarão algumas dificuldades óbvias e antigas ao longo do caminho, incluindo as rígidas regulamentações ambientais e sociais que impedem a mineração, escreveu o analista da FT.com, Alan Beattle.

Ele citou como exemplo o projeto Norra Karr na Suécia, o maior depósito de terras raras conhecido da Europa, que foi declarado proibido para exploração futura pelo supremo tribunal administrativo do país. A decisão, observou Beattle, foi desencadeada por potenciais riscos ambientais das operações propostas e seria difícil reverter essa decisão.

“Outros problemas refletem as peculiaridades dos materiais envolvidos. As cadeias de abastecimento de terras raras e semelhantes são particularmente difíceis de diversificar (...) Portanto, quando a UE procura países fornecedores para produzir materiais para alimentar a sua indústria, quer aliados estáveis, ambientalmente sensíveis e economicamente avançados, capazes de reproduzir todo o valor corrente."

Como parte de sua estratégia para reduzir a dependência de suprimentos importados, a UE também está planejando padrões verdes mais rígidos para baterias, que devem ser anunciados em 9 de dezembro. As novas regras visam reduzir a pegada de carbono e material das baterias fabricadas ou importadas para a Europa.

Posts Em Destaque
Posts Recentes