• Mining.com

Os cientistas propõem um novo sistema evolutivo de classificação de minerais


Cristal de diamante em matriz de kimberlito. (Imagem de James St. John, Wikimedia Commons).

Pesquisadores do Carnegie Institution for Science e da University of Colorado Boulder estão propondo um novo "sistema evolucionário" de classificação mineral que inclui dados históricos e reflete mudanças na diversidade e distribuição de minerais por mais de quatro bilhões de anos de história da Terra.

Os diamantes são a inspiração por trás da proposta dos cientistas porque, embora muitos deles sejam divergentes tanto na composição quanto na gênese, todos são categorizados como "diamantes" pela Comissão de Novos Minerais, Nomenclatura e Classificação da Associação Mineralógica Internacional.

Isso significa que o contexto histórico das gemas foi deixado para trás e isso se tornou problemático para cientistas planetários, geobiólogos, paleontólogos e outros que têm que tratar igualmente as rochas.

“Viemos de campos muito diferentes da filosofia e da ciência planetária para ver se havia uma maneira rigorosa de trazer a dimensão do tempo para as discussões sobre os materiais sólidos que compõem a Terra”, disse Robert Hazen, um dos cientistas envolvidos no estudo, que foi publicado em Proceedings of the National Academy of Sciences.

Hazen explicou que o sistema de classificação IMA para minerais data do século 19, quando o geólogo James Dwight Dana esboçou uma maneira de categorizar os minerais com base em combinações únicas de composições idealizadas de elementos principais e estrutura de cristal geometricamente idealizada.

Mas esse sistema, por exemplo, define o quartzo como dióxido de silício puro quando, na verdade, cada espécime de quartzo contém imperfeições ou traços de seu processo de formação que o torna único.

Assim como os diamantes, então, o quartzo e outros minerais com origens históricas diferentes são agrupados, enquanto outros minerais que compartilham uma história causal comum são separados.

“As diferenças na história formativa de um diamante ou cristal de quartzo são críticas”, disse Carol Cleland, professora de filosofia da ciência na CU Boulder e principal autora do estudo.

Na opinião de Cleland, as condições sob as quais uma amostra foi formada e as modificações que sofreu "são muito mais informativas do que o mero fato de que um cristal se qualifica como diamante ou quartzo." Assim, os cientistas planetários precisam de um novo sistema de categorização de minerais que inclua "tipos naturais" históricos.

Como não existe uma teoria universal de “evolução mineral”, criar tal sistema de classificação para geociências é desafiador. Consequentemente, os pesquisadores propõem uma abordagem “bootstrap” baseada em atributos químicos, físicos e biológicos historicamente reveladores e ricos em informações de materiais sólidos.

“Os minerais são os objetos mais duráveis ​​e ricos em informações que podemos estudar para entender a origem e a evolução do nosso planeta”, disse Hazen. “Nossa nova abordagem evolucionária para classificar minerais complementa os protocolos existentes e oferece a oportunidade de documentar rigorosamente a história da Terra.”

Acesse mais sobre o estudo aqui.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2021 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP