• Mining.com

O preço do cobre atinge o maior pico desde 2014 com as esperanças de vacinas


O preço do cobre subiu para uma nova alta de dois anos na sexta-feira (20 de novembro) após relatórios positivos sobre as descobertas da vacina covid-19 da Pfizer e Moderna.

No mercado da Comex, o cobre para entrega em dezembro ganhou 3,1%, para US$ 7.276 a tonelada no meio da tarde em Nova York. Se o cobre fechar acima de US$ 3,30, será o nível mais alto desde janeiro de 2014.

O metal subiu tanto quanto 1,6% para US $ 7.207,50 a tonelada na London Metal Exchange, o maior valor desde junho de 2018.

A Pfizer e a BioNTech SE planejam entrar com um pedido de uso emergencial, permitindo que a vacina, que dizem ser 95% eficaz, seja usada nos Estados Unidos no próximo mês.

O cobre está caminhando para um oitavo ganho mensal consecutivo, o mais longo em quase uma década, com a retomada do crescimento na China e sinais de progresso no desenvolvimento de uma perspectiva de demanda pela vacina da covid-19.

Os investidores também estão apostando em um aumento dos gastos com infraestrutura verde após o plano de cinco anos elaborado pela China, bem como iniciativas de energia alternativa delineadas pelo presidente eleito dos EUA, Joe Biden.

“Geralmente uma semana forte para metais industriais com notícias de vacinas impulsionando esperanças de recuperação fora da China, onde a demanda já é robusta”, disse Ole Hansen, chefe de estratégia de commodities do Saxo Bank A/S.

“Notícias positivas para os metais estão se acumulando e o cobre está ganhando impulso”, disse o estrategista sênior de mercado da RJO Futures, Peter Mooses.

“Os metais básicos foram impulsionados por notícias otimistas em todo o mundo, e uma vacina é exatamente o que o mercado está procurando: uma solução de longo prazo para os temores de novas interrupções para uma recuperação global.”

À medida que as infecções por coronavírus aumentam em todo o mundo, os temores de novas interrupções no fornecimento a curto prazo também estão aumentando os ganhos.

A moeda do Peru caiu para uma baixa recorde no último fim de semana em meio ao caos político e aos maiores protestos na capital Lima em décadas. Os especialistas também alertaram que novas convulsões ameaçam a luta contra o coronavírus no país, que, com uma população de 32 milhões, tem uma das maiores taxas de mortalidade per capita do mundo de covid-19.

Em uma nota, a BMO Capital Markets disse que a agitação no Peru, o segundo maior produtor mundial de cobre atrás do Chile, embora focada na capital, poderia causar problemas para a logística de concentrado de cobre (além de outros metais), caso a situação piorasse.

Os trabalhadores da Candelária da Lundin, no Chile, empurraram uma greve para o segundo mês, pois as operações permaneceram paralisadas.

Um sindicato de trabalhadores da mina de cobre Centinela da Antofagasta Minerals, no Chile, está se preparando para votar uma oferta de contrato na próxima semana, mas afirma que provavelmente a rejeitará, abrindo caminho para uma greve.

“À medida que vemos os casos aumentarem, devemos esperar que novas restrições não fiquem muito longe”, disse o analista da ED&F Man Capital, Edward Meir.

“A propagação do vírus pode estar aumentando o temor de que as operações de mineração sejam novamente interrompidas, alimentando este prêmio de fornecimento.”

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2021 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP