• Mining.com

Europa atrasada na produção de metais para baterias


Planta da VW em Salzgitter. Fonte: Volkswagen.

Um relatório sobre metais de bateria produzido pela Aperio Intelligence em nome da Eurobattery Minerals prevê um aumento considerável na demanda de matérias-primas para o setor de e-mobilidade da Europa até 2025, que dificilmente será atendido pelos produtores locais.

De acordo com o documento, a Europa produziu cerca de 750.000 VEs em 2019, um total que deve aumentar para mais de 4 milhões em 2025. Isso equivale a um aumento de 4% da participação de mercado em 2019 para 22% da participação de mercado em 2025.

A Aperio Intelligence afirma que o crescimento da produção pode ser amplamente dividido entre veículos elétricos a bateria (BEV) e veículos elétricos híbridos plug-in (PHEV), com o BEV aumentando a participação na produção geral na próxima década.

Em 2025, espera-se que Alemanha, França, Espanha, Itália e Reino Unido produzam cerca de 85% dos VEs da Europa, mesmo que os principais fabricantes dividam as operações entre a Europa e a Ásia.

Quando se trata de volumes de vendas, o mercado europeu de VEs aumentou 137% em 2020 e 44% em 2019, com a Holanda e a Alemanha liderando o grupo.

Ao olhar para esses números de produção e consumo para a UE e adicioná-los aos de outras regiões, o analista prevê que a demanda de cobre apenas para carros e vans elétricos a bateria e híbridos plug-in aumentaria de aproximadamente 52.000 toneladas em 2019 para cerca de 317.000 toneladas em 2025.

A demanda por níquel, por outro lado, aumentaria de 22.500 toneladas em 2019 para 129.000 toneladas em 2025, enquanto 51.600 toneladas de cobalto serão necessárias em 2025 em comparação com 9.000 toneladas em 2019.

Os dados mais recentes do relatório, no entanto, mostram que a UE foi responsável por apenas 13% dos 20,4 milhões de toneladas de cobre produzidos globalmente em 2019, grande parte dos quais - 399.000 toneladas - foi produzida na Polônia, seguida por Espanha, Bulgária e Suécia.

Da mesma forma, a produção de minério de níquel da UE é uma fração da produção global e tem se concentrado principalmente na Finlândia, com aproximadamente 39.000 toneladas em 2019, e na Grécia, com cerca de 14.000 toneladas em 2019.

A produção europeia de cobalto foi principalmente um subproduto das operações de mineração da estatal finlandesa Terrafame e da sueca Boliden. Dados de 2018 revelam que a UE - por meio da Finlândia - contribuiu com apenas 1.377 toneladas ou 0,9% das 156.483 toneladas de cobalto extraídas naquele ano.

No geral, o continente importa 86% do cobalto de que precisa e, com base nas informações da Comissão Europeia, citadas na revisão de Aperio, suas demandas exigirão cinco vezes mais cobalto até 2030 e mais de 15 vezes mais até 2050 em comparação com os níveis de oferta atuais.

“O relatório mostra claramente a necessidade de aumentar a produção de mineração e o abastecimento de matérias-primas na UE”, disse Roberto García Martínez, CEO da Eurobattery Minerals, em um comunicado à mídia.

“Precisamos agir rapidamente para permitir a revolução do carro elétrico e, em última instância, alcançar as metas da Agenda 2030 delineadas pela ONU. A partir do relatório, fica claro que a Europa precisa se mover mais rapidamente para atender à demanda por esses materiais. Uma indústria automotiva sustentável não pode continuar a depender de uma mineração insustentável.”

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2021 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP