• Mining.com

Especialistas alertam sobre guerra de mineração espacial entre EUA, China e Rússia


(Fonte: NASA).

Uma guerra em andamento para estabelecer uma base de mineração no espaço provavelmente fará com que a China e a Rússia unam forças para manter as tentativas cada vez maiores dos EUA de dominar o comércio extraterrestre, alertam os especialistas.

A administração Trump teve um interesse ativo no espaço, anunciando que os Estados Unidos retornariam os astronautas à Lua em 2024 e criando a Força Espacial como o mais novo ramo das Forças Armadas dos EUA.

Trump também propôs uma estrutura legal global para a mineração na lua, chamada de Acordos Artemis, encorajando os cidadãos a explorar o satélite natural da Terra e outros corpos celestes com fins comerciais.

A diretiva classificou o espaço sideral como um “domínio legal e fisicamente único da atividade humana” em vez de um “bem comum global”, abrindo caminho para a mineração da lua sem qualquer tipo de tratado internacional.

Liderados pela NASA, os Acordos Artemis foram assinados em outubro pela Austrália, Canadá, Inglaterra, Japão, Luxemburgo, Itália e Emirados Árabes Unidos.

“Infelizmente, o governo Trump exacerbou uma ameaça à segurança nacional e arriscou a oportunidade econômica ao deixar de envolver a Rússia ou a China como parceiros potenciais”, disse Elya Taichman, ex-diretora legislativa da então republicana Michelle Lujan Grisham. “Em vez disso, os Acordos de Artemis levaram a China e a Rússia a aumentar a cooperação no espaço por medo e necessidade”, escreve ele.

A agência espacial russa Roscosmos foi a primeira a se manifestar, comparando a política ao colonialismo.

“Já houve exemplos na história em que um país decidiu começar a tomar territórios em seu interesse - todos se lembram do que resultou disso”, disse o vice-diretor geral de cooperação internacional de Roscosmos, Sergey Saveliev.

A China, que fez história em 2019 ao se tornar o primeiro país a pousar uma sonda no outro lado da Lua, escolheu uma abordagem diferente. Desde que os Acordos Artemis foram anunciados pela primeira vez, Pequim abordou a Rússia para construir conjuntamente uma base de pesquisa lunar.

O presidente Xi Jinping também garantiu que a China fincasse sua bandeira na Lua, o que aconteceu em dezembro de 2020, mais de 50 anos depois que os Estados Unidos chegaram à superfície lunar.

A China foi historicamente excluída da ordem internacional no espaço liderada pelos EUA. Não é parceira do programa da Estação Espacial Internacional (ISS) e uma disposição legislativa dos EUA limitou a capacidade da NASA de cooperar com o país no espaço desde 2011.

“Os Estados Unidos e a China deveriam cooperar no espaço”, afirmam os especialistas em política Anne-Marie Slaughter e Emily Lawrence. “Se os Estados Unidos conseguiram coordenar com a União Soviética a política espacial durante a Guerra Fria, eles podem encontrar uma forma de cooperar com a China agora”, observam.

Slaughter, um ex-diretor de planejamento de políticas do Departamento de Estado dos EUA de 2009 a 2011, acredita que a equipe do presidente Joe Biden deve se distanciar dos acordos de Trump e, em vez disso, buscar um novo curso dentro do Comitê das Nações Unidas para os Usos Pacíficos do Espaço Exterior.

“Biden pode restaurar parte da legitimidade global da América trabalhando para estabelecer uma estrutura multilateral, negociada com todas as partes relevantes que proteja áreas de interesse comum enquanto concede oportunidades comerciais internacionalmente aceitas”, escreveram Slaughter e Lawrence.

Não será uma tarefa fácil, dizem, mas necessária. “Sem uma estrutura internacional que inclua todos os principais países viajantes espaciais, a lua pode se tornar o próximo Velho Oeste.”

A corrida começou. Já faz um tempo. Tanto é assim que a NASA traçou um plano de US $ 28 bilhões para lançar uma missão não tripulada ao redor da lua em 2021, seguida por um sobrevoo lunar tripulado em 2023 e, em seguida, um pouso lunar em 2024.

A NASA planeja construir uma base em órbita lunar permanente chamada Gateway, semelhante à ISS. A partir daí, a agência espera construir uma base na superfície lunar, onde poderá extrair os recursos necessários para levar os primeiros astronautas a Marte.

A Roscosmos revelou em 2018 planos para estabelecer uma base de longo prazo na Lua nas próximas duas décadas, enquanto o presidente Vladimir Putin prometeu lançar uma missão a Marte "muito em breve".

Os EUA, Rússia e China não são os primeiros nem os únicos a embarcar no trem de mineração lunar.

Luxemburgo, um dos primeiros países a olhar para a possibilidade de mineração de corpos celestes, criou em 2018 uma Agência Espacial (LSA) para impulsionar a exploração e utilização comercial de recursos de Objetos Próximos à Terra.

Ao contrário da NASA, o LSA não realiza pesquisas ou lançamentos. Seu objetivo é acelerar a colaboração entre líderes de projetos econômicos do setor espacial, investidores e outros parceiros.

A minúscula nação europeia anunciou em novembro planos para criar um Centro Europeu de Inovação de Recursos Espaciais (ESRIC), encarregado de lançar as bases para a exploração de recursos extraterrestres.

Luxemburgo também está apoiando um programa para começar a extrair recursos da Lua até 2025.

A missão, a cargo da Agência Espacial Europeia em parceria com o ArianeGroup, planeja extrair energia nuclear sem resíduos, estimada em trilhões de dólares.

Tanto a China quanto a Índia também têm ideias sobre como extrair Hélio-3 do satélite natural da Terra. Pequim já pousou na lua duas vezes no século 21, com mais missões a seguir.

No Canadá, a maioria das iniciativas vem do setor privado. Uma das mais elogiadas foi a parceria da Deltion Innovations, sediada no norte de Ontário, com a Moon Express, a primeira empresa privada americana de exploração espacial a receber permissão do governo para viajar além da órbita da Terra.

“Com a NASA e outras empresas investindo e desenvolvendo energia nuclear para uso em viagens espaciais e colonização, a realidade da mineração de asteroides está mais próxima do que nunca”, disse Bob Goldstein, CEO da US Nuclear Corp.

Com experimentos de energia de fusão comprovados e bem-sucedidos, a US Nuclear and Magneto-Inertial Fusion Technologies (MIFTI) acredita que está a apenas alguns anos de construir o primeiro gerador de energia de fusão do mundo.

O poder de fusão libera até quatro vezes mais energia do que a fissão e usa um combustível leve, de baixo custo, seguro e sustentável.

Uma espaçonave com sistemas de propulsão movidos a fusão poderia atingir o cinturão de asteroides em apenas sete meses. De acordo com Goldstein, ele poderia ser poderoso o suficiente para transportar o asteroide para uma órbita terrestre onde seria muito mais eficiente para minerar e transportar esses recursos valiosos para a Terra.

Posts Em Destaque