• Mining.com

Demanda por sucata deve crescer nas próximas duas décadas


Um relatório publicado pela Wood Mackenzie esta semana afirma que, uma vez que as pressões do consumidor e dos investidores pedindo por conteúdo reciclado estão começando a mudar o mercado de sucata, a demanda por este material deve crescer nas próximas duas décadas, com um adicional de 200 Mt por ano de sucata de aço e 75 Mt por ano de alumínio usado até 2040 em comparação com a demanda atual.

Além do que acontece no setor privado, as políticas que exigem maiores taxas de reciclagem também estão levando à coleta de sucata mais limpa e reutilizável.

“Os governos em todo o mundo geralmente compartilham o foco em manter os materiais reutilizáveis ​​fora dos aterros sanitários”, escreve a analista principal da WoodMac, Renate Featherstone, no relatório. “Isso deveria, em teoria, levar a uma maior disponibilidade e uso de sucata. No entanto, não existem leis universais que incentivem o consumo de materiais reciclados.”

De acordo com Featherstone, o fato de não haver uma visão global sobre o uso de sucata significa que, apesar do aumento da demanda, o material ainda deverá permanecer subutilizado em comparação com sua disponibilidade geral.

“A Europa, por exemplo, coleta sucata, mas não tem capacidade de fundição suficiente para usar toda a sucata gerada”, diz o documento.

“Consequentemente, grandes quantidades de sucata são exportadas. A qualidade não verificável para a sucata em fim de vida impediu um maior uso de sucata. Mas as leis de gestão de resíduos sólidos estão ficando mais rígidas, levando a uma maior separação de sucata e monitoramento de qualidade”.

Para a analista de mercado, além das mudanças nas políticas, o uso em larga escala de sucata deve ser acompanhado de incentivos convincentes e garantia de qualidade.

“A Wood Mackenzie acredita que existe um forte fundamento econômico para maior aproveitamento e processamento de sucata. Os custos de investimento de capital para instalações de processamento de sucata de alumínio são normalmente 10% dos metais primários e 50% ou menos para o aço”, afirma o relatório.

“De uma perspectiva ambiental, a produção de alumínio secundário tem uma pegada de carbono de cinco a 25 vezes menor do que a produção de metal primário. Para o aço, o maior emissor industrial, as emissões podem ser cerca de 30% menores em relação a hoje, apesar da demanda crescente.”

A empresa com sede no Reino Unido estima que o uso de toda a sucata disponível poderia reduzir as emissões de alumínio e aço em até 600 Mt por ano cada e que, se um imposto universal sobre o carbono subir para US $ 110 / tonelada, cada indústria relevante poderia economizar US $ 66 bilhões por ano.

Apesar desses resultados positivos, WoodMac aponta que mesmo com o aumento da disponibilidade, a sucata não pode eliminar a necessidade de metal primário.

“A mineração, o refino e a fundição continuarão fazendo parte de nossas vidas por muitas décadas.”

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2021 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP