• Mining.com

DeepGreen responde empresas que se opõem à mineração do fundo do mar



DeepGreen pretende produzir metais a partir de rochas polimetálicas, encontradas em oceanos. (Imagem da DeepGreen Metals.)

A DeepGreen Metals, que pretende realizar mineração no fundo do mar recentemente anunciou planos de abrir o capital, e está respondendo a empresas como o Google e a BMW por se comprometerem a não comprar minerais extraídos do fundo do mar até que os riscos ambientais da atividade sejam "amplamente compreendidos".

BMW, Volvo, Google e a fabricante coreana de baterias Samsung SDI se tornaram as primeiras empresas globais a apoiar um pedido do World Wildlife Fund (WWF) para uma moratória na mineração do fundo do mar.

Os signatários também disseram que não financiarão nenhuma empresa de mineração em águas profundas.

“Na DeepGreen, concordamos que o desenvolvimento de minerais do fundo do mar deve ser abordado com cautela e com um compromisso rigoroso com a análise de impacto com base científica e proteção ambiental”, disse em uma carta aberta às quatro empresas.

“Uma abordagem de precaução informou nossa estratégia desde o início, incluindo nossa missão de fornecer metais de bateria provenientes de nódulos do oceano profundo que geram zero resíduos sólidos, nenhum rejeito tóxico e uma fração das emissões de carbono em comparação com fontes terrestres,” ressaltou a DeepGreen.

A empresa sediada em Vancouver disse que esses benefícios ambientais podem ser alcançados apenas através da coleta de nódulos polimetálicos, a 4.000 metros de profundidade na planície abissal. Nessa profundidade, a vida é até 1.500 vezes menos abundante do que nos vibrantes ecossistemas terrestres de onde os metais são atualmente obtidos, disse DeepGreen.

Os nódulos permanecem soltos no fundo do mar e a DeepGreen diz que sua abordagem para coletá-los difere de outros processos extrativos que podem afetar a integridade da crosta do fundo do mar, conforme explicado pelo WWF.

Análises completas do ciclo de vida, como a encomendada pela empresa, argumentam que a mineração de nódulos pode reduzir os impactos ESG pela obtenção de metais de bateria em terra.

“Qualquer voto contra a exploração e pesquisa desta solução promissora - pois isso é tudo o que está em andamento - é, portanto, um voto de marcas voltadas para o consumidor como BMW e Volvo pela destruição contínua de nossos sumidouros de carbono da biodiversidade e dos inúmeros outros fatores ambientais e males sociais que vêm da mineração terrestre”, disse um porta-voz da DeepGreen.

A empresa também abordou um relatório elaborado pelo Ocean Panel para a Economia do Oceano Sustentável, que pede mais pesquisas para preencher as lacunas de conhecimento antes que qualquer mineração no fundo do mar seja permitida.

DeepGreen disse que o artigo faz pouca distinção entre os impactos de diferentes recursos marinhos. “Embora as crostas de cobalto e os sulfuretos maciços do fundo do mar exijam práticas destrutivas semelhantes à mineração em terra, isso ignora o fato de que os nódulos permanecem soltos no fundo do mar e podem ser simplesmente coletados”, disse a empresa.

Referindo-se à ideia de estimular a reciclagem de metais de bateria para reduzir a necessidade de encontrar novos suprimentos, a DeepGreen disse considerar “irresponsável” grandes empresas promoverem a ideia de que o reprocessamento de resíduos metálicos será suficiente para a transição para veículos elétricos.

“Dada a atual falta de material disponível para reciclagem, precisaremos de uma injeção maciça desses metais para formar um estoque suficiente se quisermos parar de extrair do planeta e permitir uma economia de ciclo fechado”, disse o porta-voz.

A International Seabed Authority concedeu à DeepGreen os direitos de exploração na zona Clarion-Clipperton do nordeste do Oceano Pacífico em 2011.

Posts Em Destaque
Posts Recentes