Chile tranquiliza fabricantes de automóveis preocupados com o fornecimento de lítio


Imagem cedida por Samuel Cohen | Shutterstock.

A nação com metade das reservas mundiais de lítio tem uma mensagem tranquilizadora para os fabricantes de carros elétricos: uma supervisão ambiental mais rígida não ameaçará a produção futura do metal usado para fazer baterias.

O regulador ambiental do Chile está trabalhando com outras agências para elaborar um plano para fortalecer a supervisão das empresas de mineração que bombeiam centenas de litros por segundo de salmoura com lítio de debaixo da planície de sal de Atacama. Sob pressão de investidores e clientes, as mineradoras já estão investindo milhões para reduzir sua pegada e também dizem que isso não deve restringir a produção.

Embora o objetivo principal seja mitigar o impacto sobre o frágil ecossistema e as comunidades locais, a nova abordagem integrada de fiscalização não deve comprometer a produção em uma época em que a sustentabilidade é um ponto de partida, disse Cristobal de La Maza, que dirige a agência conhecida como SMA. Os planos de expansão chilena da Albemarle Corp. e do rival local SQM são cruciais para a indústria atender à demanda que deve triplicar nos próximos anos, sendo o lítio um ingrediente chave nas baterias que abastecem veículos e telefones.

“Não achamos que isso seja algo que vá contra os interesses econômicos, embora nosso papel seja claramente ambiental”, disse de La Maza. “Em questões ambientais, o que valeu 30 anos, hoje não é aceitável.”

A reação inicial das empresas foi positiva, disse ele, acrescentando que entendem que o Chile deve ser competitivo não só na produção, mas também nos padrões ambientais.

No mesmo dia em que de La Maza falou, a SQM anunciou planos para reduzir o uso de salmoura pela metade e produzir lítio neutro em carbono até 2030 - sem restringir a produção. Isso segue uma batalha judicial perdida que forçou a empresa sediada em Santiago a refazer um plano para lidar com o bombeamento excessivo de salmoura.

“Com isso, o risco de esgotamento da lagoa cai significativamente”, disse Alonso Barros, advogado que trabalha com comunidades locais.

Albemarle, a outra grande operadora em uma salina que detém quase um quarto do atual suprimento de lítio do mundo, aumentou o bombeamento antes de dobrar a produção.

Mas a empresa sediada em Charlotte, Carolina do Norte, diz que as taxas de bombeamento mais altas provaram ser sustentáveis, com o foco agora no compartilhamento de dados e modelagem em colaboração com as autoridades. Também está procurando maneiras de produzir mais lítio com a mesma quantidade de salmoura e gastou US $ 100 milhões para manter o uso de água doce mesmo depois de dobrar a capacidade.

A expansão da indústria de lítio não é a única demanda na bacia do Atacama, que também atende a enormes minas de cobre, comunidades indígenas e turismo. A SMA está investigando a mina Escondida do Grupo BHP por supostamente extrair mais água do que o permitido por quase 15 anos, acusações que Escondida nega.

Um dos desafios do regulador é estabelecer um conjunto comum de padrões para diferentes usuários de água doce e salmoura na bacia do Atacama.

“Está criando uma maneira singular de ver as coisas e fazer o que é melhor para o ecossistema”, disse o chefe de lítio de Albemarle, Eric Norris, em uma entrevista. “É muito nisso que a SMA se concentra.”

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP