• Mining.com

Chile ameaça ação legal para fazer Albemarle revelar reservas de lítio


A planície de sal do Atacama no Chile, lar dos principais produtores de lítio Albemarle e SQM, é responsável por cerca de um terço do abastecimento mundial.

Reguladores chilenos ameaçaram a Albemarle Corp com ações judiciais, exigindo que até o final da semana a maior mineradora de lítio do mundo apresente um plano para entregar dados sobre suas reservas de metal ultraleve de bateria, de acordo com documentos obtidos pela Reuters.

Em 2016, o Chile deu a Albemarle aprovação para aumentar a produção da planície de sal do Atacama, rica em lítio, com a condição de que a mineradora provasse que suas reservas poderiam sustentar o aumento da produção.

A agência nuclear chilena CCHEN, que também licencia as exportações de lítio, disse que Albemarle não forneceu dados de reservas adequados mais de um ano depois que o regulador os solicitou, de acordo com uma carta de 4 de janeiro obtida pela Reuters sob a Lei de Transparência do Chile.

O Albermarle procurou manter partes desses dados confidenciais, mas o regulador rejeitou até agora seus argumentos. Os observadores do mercado, por sua vez, ficaram obcecados com a quantidade de lítio disponível para as mineradoras porque o documento é crucial para atender a um aumento previsto na demanda global pelo metal da bateria para veículos elétricos.

“Até o momento, seus representantes não cumpriram a entrega das informações solicitadas”, escreveu a CCHEN a Ellen Lenny-Pessagno, gerente nacional da Albemarle no Chile. A carta concede a mineradora com sede nos EUA cinco dias a partir de 4 de janeiro para entregar as informações ou explicar como e por que devem permanecer confidenciais.

“A CCHEN reserva-se o direito de exercer seus poderes legais ... caso as informações não sejam entregues em tempo hábil”, afirmou a agência na carta.

O chefe da CCHEN, Jaime Salas, disse à Reuters por e-mail que tais ações incluem qualquer ação disponível para a agência segundo a lei chilena.

Albemarle disse à Reuters em um comunicado que não houve conflito com a CCHEN, e disse que planeja emitir uma resposta imediata.

“Esta carta faz parte da coordenação necessária para que a CCHEN possa acessar as informações adicionais solicitadas”, disse a empresa, observando que dependia do regulador “cumprir os requisitos de confidencialidade, pois os documentos contêm informações comercialmente sensíveis”.

A briga começou no final de 2019, logo após a Albemarle apresentar um relatório à CCHEN descrevendo suas reservas de lítio.

O regulador questionou a metodologia e as conclusões, mas Albemarle se recusou a fornecer mais detalhes, dizendo que as regras da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA o impediam de fazê-lo, mostram os arquivos.

A CCHEN rejeitou esse argumento inicial, observando que os “requisitos de instituições estrangeiras não são exequíveis ou aplicáveis ​​no Chile”.

Em setembro, Albemarle disse em uma carta à CCHEN que funcionários da agência eram bem-vindos a visitar seus escritórios para ver "a documentação adicional solicitada", mas apenas se a CCHEN concordasse com "certos requisitos de confidencialidade".

A CCHEN depende em parte dos mineiros para fornecer dados sobre as reservas do Atacama. O acordo fechado com a Albemarle exige que a mineradora cumpra suas condições ou corre o risco de suspensão de sua licença de exportação.

A Albemarle afirmou nos últimos anos que opera os “melhores” recursos de lítio do mundo, ao mesmo tempo que cuida do meio ambiente e das comunidades locais, inclusive no Atacama.

A empresa é uma das duas mineradoras de lítio com permissão para operar no cobiçado distrito, que abriga quase um quarto do atual suprimento mundial de metal branco.

Posts Em Destaque
Posts Recentes