• Mining.com

BMW, Volvo, Google e Samsung pedem proibição de mineração em alto mar


DeepGreen planeja extrair cobalto e outros metais de bateria do fundo do mar. (Imagem da DeepGreen.)

BMW, Volvo, Google e a Samsung prometeram não comprar metais produzidos em mineração em alto mar até que os riscos ambientais da atividade sejam "amplamente compreendidos".

As empresas são as primeiras companhias globais a apoiar um apelo do World Wildlife Fund (WWF) para uma moratória na mineração do fundo do mar, o que poderia ser um grande golpe para as mineradoras que planejam explorar o oceano profundo nesta década.

Os signatários também disseram que não financiarão nenhuma empresa de mineração em águas profundas.

“Antes que ocorra qualquer potencial mineração no fundo do mar, é necessário demonstrar claramente que tais atividades podem ser gerenciadas de uma forma que garanta a proteção efetiva do meio ambiente marinho”, disseram eles no comunicado.

“Todas as outras alternativas de minerais presentes no fundo do mar devem ser exploradas com urgência, com foco na redução da demanda por metais primários, na transição para uma economia de materiais de ciclo fechado e eficiente em recursos e no desenvolvimento de práticas de mineração terrestre responsáveis”, observaram as empresas.

A mineração do fundo do oceano foi promovida como uma alternativa à mineração terrestre, uma vez que a demanda por minerais necessários para uma transição de energia verde, como cobalto e níquel, deve exceder as taxas de produção atuais até 2030.

No entanto, os regulamentos para apoiar a atividade emergente ainda não foram acertados pela Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISA). O corpo de 167 países apoiado pela ONU já emitiu contratos de exploração para 21 empresas, mas elas não podem começar a minerar até que a regulamentação seja aprovada.

Uma equipe internacional de pesquisadores publicou em 2018 um conjunto de critérios para ajudar o ISA a proteger a biodiversidade das atividades de mineração em alto mar enquanto prepara regras globais.

De acordo com o US Geological Survey, o mar profundo representa mais da metade da superfície do mundo e contém minerais em concentrações várias vezes maiores do que as encontradas em todas as reservas terrestres combinadas.

O principal alvo das empresas que planejam minerar debaixo d'água são os nódulos polimetálicos. Essas pequenas rochas, que se encontram em uma camada rasa de lama no fundo do mar, são ricas em cobalto, níquel, cobre, manganês e terras raras.

Cientistas e exploradores também identificaram crostas ricas em cobalto, localizadas mais rasas do que nódulos e sulfatos.

Relatórios recentes pediram mais pesquisas para preencher as lacunas de conhecimento antes que qualquer mineração no fundo do mar seja permitida. Eles também argumentaram sobre a necessidade de definir zonas protegidas em todas as regiões oceânicas sob a jurisdição do ISA.

O Parlamento Europeu apelou também à proibição da mineração no fundo do mar até que os impactos ambientais e os riscos de perturbar os ecossistemas únicos de profundidade sejam compreendidos.



Os conservacionistas recomendam que os países incentivem a reciclagem de metais de bateria para reduzir a necessidade de encontrar novos suprimentos.

Os defensores da atividade, no entanto, argumentam que a extração de metais de bateria do fundo do oceano pode potencialmente eliminar, ou reduzir drasticamente, a maioria dos impactos ambientais e sociais associados à extração de riquezas da superfície da Terra.

As empresas que buscam ativamente minerar o fundo do oceano incluem GSR, UK Seabed Resources e DeepGreen, que recentemente anunciou planos de abrir o capital em uma fusão com uma empresa de aquisição de propósito específico (SPAC).

Posts Em Destaque
Posts Recentes