BHP testa veículos elétricos da Toyota na Nickel West


Operação Nickel West da BHP. (Imagem da BHP.)

BHP, a maior mineradora do mundo, fez parceria com a Toyota Austrália para testar um novo veículo elétrico leve (LEV) na mina Nickel West, no oeste da Austrália.

As empresas vão testar um LandCruiser 70, convertido de diesel para totalmente elétrico por meio de bateria a bordo, tanto em ambientes de superfície quanto subterrâneos.

O presidente da BHP Minerals Australia, Edgar Basto, disse que a parceria faz parte dos estudos em andamento sobre como a empresa pode reduzir as emissões de sua frota de veículos leves.

“Ele se baseia em outros testes de LEV em andamento na Austrália do Sul e Queensland. Reduzir nossa dependência do diesel em nossas operações ajudará a atingir nossa meta de médio prazo para reduzir as emissões operacionais em 30% até 2030”, disse Basto em um comunicado à mídia.

O presidente de ativos da BHP, Nickel West, Eddy Haegel também espera que a empresa reduza seus custos de combustível e manutenção, bem como ruído, calor e material particulado de diesel por meio do uso de LEV.

“A bateria do Toyota EV LandCruiser também contém uma alta proporção de níquel”, observou Haegel, acrescentando que a BHP manteve um forte relacionamento com a Toyota nos últimos 20 anos.

A gigante da mineração deu início aos testes para carros elétricos na mina subterrânea em 2018 de cobre, ouro e urânio em Olympic Dam no sul da Austrália, bem como na mina de carvão Broadmeadow, em Queensland.


Metas de emissões zero


A BHP, que também é uma das maiores emissoras de carbono, tem se concentrado nos últimos quatro anos no uso de formas mais limpas de fornecimento de energia, com o objetivo de atingir emissões operacionais líquidas zero até 2050.

A empresa também disse que reduziria essas emissões abaixo dos níveis fiscais de 2017 até o ano fiscal de 2022.

Um estudo publicado em maio do ano passado mostrou que oito das dez maiores mineradoras do mundo não estavam fazendo o suficiente para ajudar a evitar que as temperaturas globais aumentassem menos de 2 ° C ao ano até 2050.


O principal vazio nas metas das principais mineradoras são as emissões do Escopo 3 - aquelas geradas indiretamente quando os consumidores queimam ou processam seu petróleo, carvão ou minério de ferro.

As emissões difíceis de combater são responsáveis ​​por 95% do total do setor mineral, de acordo com o Barclays. Somente para a BHP, eles respondem por até 97% das emissões globais da empresa, de acordo com o diretor executivo da Market Forces, Julien Vincent.

Eles também são maiores do que as emissões totais da Austrália em 2019 de 532,5 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente.

As concorrentes Rio Tinto e Anglo American ainda não divulgaram suas emissões de uso final para 2019. BHP publica uma faixa para refletir a potencial contagem dupla de carvão coqueificável e minério de ferro, os dois ingredientes necessários para fazer aço. O processo altamente poluente é responsável por até 9% das emissões globais de gases do efeito estufa.

Apenas a Glencore e a Vale, a maior produtora de minério de ferro do mundo, definiram metas de escopo 3.

A Glencore espera reduzir as emissões geradas por seus produtos quando consumidos em 30% nos próximos 15 anos. Isso seria em parte o resultado de suas minas de carvão na Colômbia e na África do Sul ficando sem minério. A empresa suíça também planeja parar de extrair carvão no país sul-americano até 2035.

A Vale tem como meta uma redução de 15% nas emissões do Escopo 3 até 2035 por meio do uso de compensações de carbono, transporte ecológico e parceria com seus clientes em tecnologia de produção de aço de baixo carbono.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP