• Mining.com

Amostra recuperada há 220 anos é um novo mineral


Kernowite. (Imagem do The Trustees of the Natural History Museum, Londres).

Pesquisadores do Museu de História Natural de Londres, o Diamond Lightsource em Harwell, Oxford e Eslováquia descobriram um novo mineral quase por acidente ao investigarem uma amostra de liroconita, um mineral azul brilhante recuperado de uma mina na Cornwall há 220 anos.

Em uma busca para tratá-lo adequadamente, o pesquisador principal Mike Rumsey estava tentando entender por que a cor da liroconita varia do azul-esmeralda brilhante até o verde esmeralda escuro.

“Acontece que as amostras verdes mais escuras são quimicamente diferentes do azul que nós, como mineralogistas, as definiríamos como uma nova espécie”, disse Rumsey em um comunicado à mídia.

A nova espécie foi batizada de kernowite em homenagem a Kernow, palavra de Cornwall, que é o único local de onde foi recuperada. Detalhes sobre a existência do novo mineral serão publicados em uma próxima edição da Mineralogical Magazine.

Para ser descrito como uma nova espécie, um mineral precisa atender a uma série de critérios. Eles se relacionam amplamente com a determinação do que é a química do novo material e como os átomos dentro do material estão dispostos no espaço tridimensional e, então, como esse arranjo se repete para formar os cristais que o olho humano pode ver. Isso é o que os mineralogistas chamam de estrutura cristalina.

Segundo Rumsey, na estrutura cristalina da liroconita, uma das posições onde se encontra um átomo pode conter alumínio ou ferro. Para a liroconita, a posição é predominantemente preenchida com alumínio e o cristal físico acaba sendo azul.

Para kernowite, por outro lado, a posição é predominantemente preenchida com ferro e o resultado é um cristal verde.

“Achamos que quanto mais ferro, mais escuro é o verde, mas isso ainda precisa de mais trabalho e mais amostras para confirmar”, disse o pesquisador. “Ambos os minerais têm exatamente a mesma estrutura cristalina, o que significa que todos os átomos estão nas mesmas posições, é apenas a composição química que varia.”

A kernowita foi recuperada de um lugar chamado Wheal Gorland, de onde deriva a maior parte da liroconita do mundo. A mina esteve ativa entre 1790 e 1909, mas agora foi demolida.

No local existe um conjunto habitacional, o que impede a realização de novas escavações.

No entanto, Rumsey espera que, uma vez que a liroconita é um mineral altamente valorizado entre os colecionadores, algumas das amostras que já existem em museus e conjuntos privados podem na verdade ser kernowita apenas esperando para serem descobertas.

Posts Em Destaque
Posts Recentes