• Mining.com

A varredura nuclear permite uma melhor detecção de metais preciosos em núcleos de perfuração, dizem


Furo de sondagem. (Imagem de Aurelia Metals).

Pesquisadores australianos estão propondo o uso de uma técnica de varredura nuclear para detectar a presença de metais preciosos e minerais estratégicos em amostras de núcleo.

A abordagem envolve o uso de instrumentos de tomografia de nêutrons modificados para fazê-los funcionar de maneira rápida, econômica e não destrutiva para mapear a concentração e distribuição de minerais em um núcleo de rocha.

Em detalhes, uma equipe da Organização de Ciência e Tecnologia Nuclear Australiana (ANSTO) e da Universidade Macquarie aprimorou o primeiro instrumento de tomografia de nêutrons Dingo, que gera imagens semelhantes às de uma tomografia computadorizada de raios-X, mas em vez disso usa nêutrons, partículas subatômicas neutras. As partículas são produzidas pelo Open-pool Australian Lightwater Reactor (OPAL), um reator de pesquisa nuclear de 20 megawatts.

Antes de passar para esta fase, eles desenvolveram uma plataforma para conter os núcleos que iriam estudar para digitalização paralela. Os cartuchos do dispositivo podem conter quatro núcleos de até 1,5 metros de comprimento, com diâmetro máximo de 80 mm cada. Os núcleos específicos usados ​​para testar o conceito da ANSTO foram fornecidos pela Aurelia Metals e foram extraídos na mina de ouro-chumbo-zinco-prata da empresa em New South Wales.

O instrumento Dingo então produziu uma reconstrução de imagem tridimensional do núcleo da broca, que foi adquirida girando os núcleos no feixe de nêutrons enquanto pegava milhares de radiografias de sombra. As radiografias foram então convertidas em visualizações 3D dos furos de sondagem.

De acordo com os cientistas, os dados gerados a partir das radiografias podem ser usados ​​para estender os mapas minerais de superfície 2D obtidos usando fluorescência de raios-X para relatar com mais precisão o conteúdo mineral dentro de núcleos dos furos de sondagem.

“Nossos colaboradores na Macquarie University ficaram satisfeitos que as imagens eram viáveis ​​para avaliações mineralógicas e estão desenvolvendo novos métodos para explorar e integrar esses conjuntos de dados em análises geológicas e geoquímicas”, disse Joseph Bevitt, um dos pesquisadores envolvidos no experimento.

Na opinião de Bevitt, dependendo da resolução de varredura desejada, a varredura de um furo de sondagem de um metro pode ser concluída em uma hora. Ele destacou que, atualmente, a indústria e as instituições de pesquisa usam técnicas de raios-X para inspeção e análise de furos de alto rendimento. No entanto, os raios X não podem penetrar em amostras que contêm metais pesados ​​em abundância, como chumbo, sem perder o contraste da imagem.

"Os nêutrons superam essa limitação como chumbo, e uma série de outros minerais comuns que são problemáticos para os raios X são mais transparentes para os nêutrons", disse Bevitt.

Para o especialista, no entanto, combinar as capacidades de varredura de raios-X e tomografia computadorizada de nêutrons pode ser p próximo passo para apoiar o mapeamento mineral em 3D. É por isso que sua equipe também está planejando instalar uma fonte de raios-X para permitir imagens tomográficas de nêutrons e raios-X bimodais em furos de sondagens.

Posts Em Destaque
Posts Recentes