Lítio na Bolívia: “sempre uma possibilidade, nunca uma realidade” - entrevista


Salar de Uyuni na Bolívia. (Imagem de Pedro Szekely, Wikimedia Commons).

“O governo boliviano nunca adaptou as melhores práticas de estruturas e estratégias de desenvolvimento de recursos de lítio e deveria”, disse Emily Hersh. Hersh é sócia-gerente da DCDB Research na Argentina e recentemente apresentou um relatório intitulado “Bolívia e lítio: um par reativo” ao Vice-ministério boliviano de Tecnologias de Alta Energia.

Em sua apresentação, a economista explicou que a estratégia do lítio da Bolívia foi construída para obter manchetes internacionais e ganhar força política, em vez de tomar medidas menores e mais práticas para construir uma indústria sustentável.

“A Bolívia se apoiou muito no fato de que possui o ‘maior recurso’ e não tomou as medidas práticas para perceber a oportunidade ao longo do tempo”, disse Hersh.

Na verdade, a Bolívia tem 9 milhões de toneladas de recursos de lítio identificados enterrados sob suas famosas salinas, sendo a maior o Salar de Uyuni. Este é o segundo maior depósito de lítio do mundo, atrás apenas das salinas da Argentina.

Mesmo assim, o país andino quase não produz produtos químicos de lítio. A empresa estatal de lítio YLB supervisiona a extração de lítio de salmouras complexas sob as salinas a aproximadamente 4.000 metros de altitude, convertendo-os em produtos químicos finos, fabricando materiais catódicos e fabricando células de íon-lítio.

Um relatório de coautoria de Hersh e publicado pelo Instituto Payne de Políticas Públicas da Escola de Minas do Colorado afirma que a estratégia abrangente do YLB está jogando contra o potencial de lítio do país.

“Cada um desses fluxos de trabalho é diferente, tornando improvável que uma empresa possa fazer todos eles”, diz o documento. “Empresas em todo o mundo estão gastando milhões de dólares em P&D para etapas únicas nas cadeias de abastecimento, enquanto o YLB não é suficientemente financiado ou experiente para realizar qualquer uma delas de forma eficaz.”

Em outras palavras, o YLB se espalhou muito e recebeu a tarefa de desenvolver muitos projetos complexos simultaneamente, o que gerou resultados muito pequenos nos últimos 10 anos.

“Além da liderança correta, é necessária uma estratégia de comunicação que desfaça o dano de criar um orgulho nacional e psique em torno dessa ideia de que a Bolívia fará baterias inteiras e veículos elétricos necessários”, disse Hersh. “O ex-presidente [Evo Morales] criou uma identidade nacional em torno de algo que é tecnicamente inviável.”

MDC: A indústria de lítio viu alguma mudança com a recente mudança de governo na Bolívia?

Hersh: Minha opinião é que continua a ser só conversa e pouca ação. A liderança da Bolívia tem duas opções - continuar fazendo grandes promessas que são tecnicamente inviáveis ​​para ganhos políticos de curto prazo e cobertura da mídia internacional, ou arregaçar as mangas e começar a trabalhar com base na realidade.

MDC: Você pode explicar como a Bolívia se sai em comparação com o Chile e a Argentina, os outros dois países do Triângulo de Lítio da América do Sul?

Hersh: Não há indústria de lítio na Bolívia que possa ser comparada. A “indústria” da Bolívia é um jogador único. Há uma discussão significativa com algum nível de investimento na participação nessa etapa da cadeia de abastecimento nessa jurisdição, no entanto, nada foi realmente construído ainda e nenhuma empresa lucrativa foi criada. Além disso, antes de avançar qualquer coisa, um royalty adequado precisa ser negociado com Potosí. Todos os problemas da Bolívia estão relacionados à governança - e difíceis de desfazer sem comunicações abrangentes.

MDC: Além deste contexto de governança, o lítio da Bolívia é difícil de processar pelos métodos tradicionais. Quais são as implicações disso quando se trata das possibilidades de desenvolvimento da indústria?

Hersh: Altos teores de Mg e SO4 significam que os processos evaporativos não são uma boa opção. Isso significa que as salmouras bolivianas exigirão processos de extração direta de lítio. Os processos de extração direta de lítio são a chave para desbloquear muitos tipos de recursos de lítio, como salmouras geotérmicas, salmouras de campos petrolíferos, salmouras de baixo teor e salmouras com altas concentrações de impurezas. O YLB e o próximo governo boliviano precisariam contratar especialistas técnicos em processos de extração direta de lítio para desenvolver essa estratégia de tecnologia.

Para Hersh e seus colegas do Instituto Payne, dar passos pequenos, mas sólidos, para aproveitar seus enormes recursos de lítio pode ser a estratégia mais adequada para a Bolívia.

Na opinião deles, o país deveria começar a montante, desenvolvendo a capacidade de produzir concentrado a partir de seus depósitos de lítio e, uma vez que esse processo tenha sido dominado, poderia passar a produzir produtos químicos para baterias e exportá-los para outras nações onde são fabricados materiais de cátodo.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP