O Canadá pede 'paciência' aos EUA em relação ao alumínio


Rolos de alumínio. (Imagem Shutterstock)


O Canadá disse que os EUA devem ter mais paciência ao determinar se deve reimpor as tarifas de alumínio às importações, mas diz que o país retaliará se os EUA puxarem o gatilho.

No centro do debate sobre tarifas, está a questão de saber se as importações canadenses de alumínio bruto aumentaram desde que as tarifas foram levantadas em maio de 2019, violando os recentes acordos comerciais.

O embaixador do Canadá, Kirsten Hillman, disse que houve um aumento na produção de alumínio não-liga, ou bruto, já que os produtores foram forçados a mudar de produtos de valor agregado em meio a uma queda na demanda durante a pandemia.

A ALCOA alterou 20% da produção com valor agregado para a produção de alumínio bruto, porque os produtos com valor agregado não podem ser armazenados tão facilmente quanto os materiais brutos.

À medida que a indústria automobilística e outros setores manufatureiros voltarem a entrar em operação, a demanda voltará ao alumínio de maior valor agregado, disse Hillman. Ela disse que a situação se retificará nos próximos meses.

"Vamos demorar um pouco para ver como isso se resolve e garantir que esse comércio esteja seguindo os padrões normais que se esperaria em um momento como esse", disse Hillman na quarta-feira em uma entrevista por telefone.

"Se as tarifas forem impostas, teremos muito poucas opções além de responder com taxas sobre as importações dos EUA. Ainda não há decisão sobre como responderíamos. "

Autoridades e executivos dos EUA têm discordado sobre como proceder. O representante comercial Robert Lighthizer e alguns produtores norte-americanos reclamaram que as importações de alumínio bruto do Canadá aumentaram.

A Associação de Alumínio dos EUA, que representa a Alcoa, o Rio Tinto Group e dezenas de outras fabricantes de peças de alumínio, disse que as importações são consistentes com os níveis anteriores à implementação das tarifas da Seção 232 do governo Trump.

Hillman disse que as autoridades canadenses ouviram que os EUA estavam pensando em repor uma tarifa de 10% sobre o alumínio não-liga do Canadá.

A Alcoa disse aos investidores em abril que transferiu 20% da produção de valor agregado para a produção de alumínio bruto, porque os produtos de valor agregado não podem ser armazenados tão facilmente quanto as matérias-primas. Muitos outros produtores ao redor do mundo estão fazendo isso para evitar ter que desligar a capacidade da fundição, o que é caro.

As tarifas são o movimento errado durante uma crise econômica, disse Hillman, especialmente agora que o Acordo Estados Unidos-México-Canadá foi colocado em vigor.

"A última coisa que o setor manufatureiro dos EUA precisa, enquanto busca se recuperar dessa crise econômica, são impostos adicionais sobre as importações de manufaturados", disse Hillman. "Está indo na direção errada."

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP