Japão reforça controle sobre reservas de metais raros


Em 2019, o Japão aumentou sua participação na produção de terras raras de Lynas. A foto aqui é uma linha de produção de terras raras na fábrica da empresa na Malásia. (Imagem retirada da apresentação de Lynas.)


Ao longo das interrupções no fornecimento de certos metais causadas pela pandemia do covid-19, o Japão decidiu lançar uma série de medidas para abordar os potenciais riscos de fornecimento decorrentes de instabilidade geopolítica ou futuras pandemias.

Um relatório da empresa de consultoria de mercado Argos afirma que uma dessas medidas implica em aumentar o controle do governo sobre reservas estratégicas de 34 metais raros e aumentar os estoques de alguns metais estrategicamente importantes, como o cobalto.

De acordo com Argos, o Ministério da Economia, Comércio e Indústria apresentou uma proposta ao governo central, solicitando que o Estado assuma o controle total das reservas estratégicas de metais raros, estabelecendo níveis-alvo para os estoques, bem como planos de aquisição e liberação de suprimentos da reserva.

O ministério também pediu maior flexibilidade na determinação dos níveis de estoque para cada metal raro, depois de levar em conta sua importância estratégica, riscos geopolíticos e demanda doméstica.

Por considerações de segurança nacional, o departamento pediu ao gabinete de Shinzo Abe que mantivesse em segredo as metas de estoque e os níveis reais de estoque.


"O Japão designou 34 'metais raros' - incluindo terras raras - como potencialmente para estocagem e atualmente possui reservas de sete - níquel, cromo, tungstênio, cobalto, molibdênio, manganês e vanádio", afirma o relatório Argus. "Os estoques podem cobrir 60 dias do consumo do país, depois de incluir estoques privados não obrigatórios equivalentes a 18 dias de consumo. As reservas estratégicas são definidas como propriedade da agência estatal Jogmec e são gerenciadas pela agência em suas bases de armazenamento.”


Além de gerenciar suas reservas internas, a superpotência asiática também tem assegurado seu suprimento externo de terras raras. Em junho de 2019, a JARE, uma joint venture entre a estatal Japan Oil, Gas and Metals National Corp (JOGMEC) e a Sojitz Corp., aprovou um pacote de financiamento generoso para a australiana Lynas Corp, expandindo o controle do país sobre a produção de terras raras da empresa.

O acordo foi assinado em meio às ameaças da China de usar seu domínio na oferta do mercado como uma arma na guerra comercial com os Estados Unidos.

Na mina de Mt Weld, na Austrália Ocidental, a Lynas produz neodímio e praseodímio, ingredientes-chave em ímãs permanentes usados ​​em veículos elétricos, dispositivos de consumo energeticamente eficientes e nas indústrias aeroespacial e de defesa.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP