Yamana Gold para aplicar Inteligência Artificial em sua mina de Cerro Moro na Argentina


Mina de Ouro-Prata em Cerro Moro - Imagem da Yamana Gold.


A Yamana Gold Inc. do Canadá contratou uma equipe de geólogos e cientistas de dados da GoldSpot Discoveries para identificar novos alvos de perfuração em sua mina de ouro e prata Cerro Moro na Argentina.

A mineradora com sede em Toronto disse que o GoldSpot explorará todo o banco de dados da empresa e procurará tendências de dados não reconhecidas anteriormente para identificar áreas de potencial mineralização em profundidade e em escala regional.

A Yamana, que iniciou a produção de ouro e prata em Cerro Moro em 2018, disse que a medida visa minimizar o risco de exploração e mitigar custos.

Como a maioria das mineradoras, o produtor canadense de ouro teve que interromper as operações no início deste ano devido a restrições por causa do covid 19. A empresa reiniciou o projeto Cerro Morro em abril, observando que o complexo deveria produzir 96.000 onças de ouro e 6,3 milhões de onças de prata este ano. Previa-se que a mina produzisse 117.000 onças de ouro e 7,5 milhões de onças de prata.

Cerro Moro, localizado na província argentina de Santa Cruz, é uma operação de ouro e prata de alto teor e baixo custo, proveniente de uma combinação de mineração subterrânea e a céu aberto.

A Yamana possui outras cinco minas na América do Sul e uma em seu país de origem - a mina Canadian Malartic, que a empresa possui como parte de uma joint venture 50/50 com a Agnico Eagle Mines.

A GoldSpot, uma empresa canadense de tecnologia e investimentos que utiliza o aprendizado de máquina (Inteligência Artificial) para reduzir o risco de capital, já havia trabalhado com a Yamana na mina El Peñón da empresa no Chile. Como resultado desse trabalho, a mineradora registrou crescimento nas reservas e recursos minerais do ativo, o que promete prolongar sua vida produtiva.

Concluiu também que as instalações de processamento no local estavam subutilizadas, de modo que os resultados positivos poderiam potencialmente levar a uma maior produção de El Peñón. Isso espalharia os custos operacionais por mais onças e provavelmente reduziria os custos de manutenção.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP