Preços do lítio devem subir após 2022


Lagoas de lítio por evaporação em Atacama, norte do Chile. (Imagem cortesia de SQM)


Os preços do lítio, um dos principais componentes para as baterias que alimentam veículos elétricos (EVs) e dispositivos de alta tecnologia, devem subir em dois anos, quando a escassez no mercado causada pela produção reduzida e expansões interrompidas começarem a surgir.

As vendas de carros, incluindo os veículos elétricos, caíram neste ano, já que as projeções de crescimento econômico global já foram descarriladas em meio à pandemia de coronavírus e seus efeitos nos mercados globais.

Somente na Europa Ocidental, onde as vendas de veículos elétricos deveriam subir este ano, a aquisição de carros novos caiu 90% em abril.

Mas a demanda deve aumentar, diz a Benchmark Mineral Intelligence (BMI), pesquisadora da cadeia de suprimentos de baterias e empresa de descoberta de preços. E quando isso acontecer "o lado da oferta não será capaz de reagir com rapidez suficiente", disse à Reuters Simon Moores, diretor da BMI.

A empresa com sede em Londres, que também rastreia a construção de megafábrica de baterias (> 1Gwh de capacidade) em todo o mundo, acredita que quando a demanda voltar, os preços do lítio deverão subir após 2022.

Antes do coronavírus, os preços do lítio estavam em queda livre devido a uma avalanche de novos suprimentos. O excesso, agravado pelo corte de Pequim nos subsídios do governo para compradores de veículos elétricos na China - o maior mercado do mundo -, fez com que as principais empresas controlassem seus planos de crescimento.

A BMI previa fornecimento de 572.000 toneladas para 2023, mas agora vê esse número em 543.000 toneladas, com um déficit de 8.000 toneladas. A empresa acredita que o déficit nos próximos anos crescerá significativamente.

Para este ano, a BMI prevê que a produção global de lítio alcance 324.000 toneladas, com a demanda pelo metal um pouco menor, para 315.000 toneladas.


Expansões, investimentos atrasados


O SQM do Chile, o segundo maior produtor mundial do metal, recuou uma expansão importante em suas operações de salinas de Atacama desde o final de 2020 até o final de 2021.

Os Wesfarmers da Austrália atrasaram uma decisão final de investimento no projeto Mount Holland na Austrália Ocidental em um ano, para o início de 2021.

Albemarle, líder mundial, também teve que ajustar planos. Adiou no ano passado um projeto para adicionar cerca de 125.000 toneladas de capacidade de processamento. Ele também revisou um acordo para comprar a mina de lítio Wodgina da Australian Mineral Resources e disse que atrasaria a construção de 75.000 toneladas de capacidade de processamento em Kemerton, também na Austrália.

A gigante do lítio mostrou mais sinais de angústia no início deste mês. Ele cortou seu orçamento para 2020 e puxou sua previsão anual em meio à disseminação global do coronavírus.

Esse foi um dos primeiros sinais de que a indústria do lítio está começando a sentir a dor da queda nas vendas de veículos elétricos, que devem cair ainda mais no resto do ano.

A Tianqi Lithium Corp. da China, maior produtora do metal para bateria do país, também adiou o comissionamento da primeira fase de sua principal fábrica em Kwinana, enquanto luta para pagar a dívida.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP