Projeto Pebble da Northern Dynasty pode ser a maior mina da América do Norte


Foto: O local proposto para a mina de Pebble do Alasca, nas cabeceiras dos rios que desembocam na Baía de Bristol. Crédito: jsear | Mining.com


A Northern Dynasty Minerals recebeu uma mudança de plano para seu projeto Pebble na região da Baía de Bristol, no Alasca, que agora incluiria uma rota de transporte terrestre para conectar a mina de cobre-ouro-molibdênio-prata no sudoeste do Alasca.

Na sexta-feira passada, o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA (USACE) - principal regulador federal do processo de permissão da Declaração de Impacto Ambiental (EIS) - recomendou uma alternativa de desenvolvimento para o local: uma estrada de acesso de duas pistas e 85 milhas ao longo da costa norte do lago Iliamna.

Durante uma sessão de disponibilidade de mídia, o chefe da divisão de regulamentação do distrito da USACE no Alasca, David Hobbie, confirmou que essa era uma “alternativa praticável menos prejudicial ao meio ambiente” para a mina de Pebble, pois evitaria a necessidade de transporte de balsa pelo lago.

Se permitido, a Pebble seria a maior mina da América do Norte, com um recurso estimado de 6,5 bilhões de toneladas na categoria medida e indicada, contendo 57 bilhões de libras de cobre e 71 milhões de onças de ouro, 3,4 bilhões de libras de molibdênio e 345 milhões de onças de prata.

A Northern Dynasty já havia incluído a estrada como uma alternativa possível em registros anteriores ao governo. O presidente e CEO Ron Thiessen disse que o 'corredor de transporte do norte' - também conhecido como 'Alternativa 3' no Pebble EIS - foi extensivamente estudado pela subsidiária americana da empresa (a Pebble Partnership) e apresenta vários benefícios sobre as opções de balsas do lago.

Thiessen acrescentou que a Parceria Pebble trabalhará com cada um dos proprietários de terras ao longo do corredor norte e acredita que garantirá as autorizações necessárias para construir e operar o sistema de transporte.

O CEO da Pebble Partnership, Tom Collier, confirmou que o USACE entrou em contato com a empresa há várias semanas para solicitar que modificasse formalmente a descrição do projeto.

Collier disse que a força motriz por trás da mudança de rota provavelmente é a preocupação com as operações das balsas do lago, expressas pelas agências que cooperam (incluindo a Agência de Proteção Ambiental dos EUA e o Serviço de Vida Selvagem e Peixe dos EUA) e membros públicos.

O corredor norte tem o benefício adicional de incluir um oleoduto para transportar concentrados de cobre-ouro e molibdênio do local da mina para o local do porto, reduzindo assim quase metade do tráfego de caminhões na região.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP