No próximo boom de energia renovável, a Austrália é mais uma vez o “país de sorte”


(Crédito: Adobe Stock)


Quais commodities e países estão em melhor posição para emergir como vencedores no mundo pós-coronavírus, especialmente se o aumento antecipado do investimento em energias renováveis ​​realmente acontecer?

Um dos temas emergentes para um mundo pós-coronavírus é que o investimento deve fluir para energias renováveis, como estímulo econômico e como forma de limitar o impacto das mudanças climáticas.

Para esse fim, o Banco Mundial divulgou um relatório em 11 de maio, afirmando que a produção global de minerais como lítio, cobalto e grafite teria que aumentar em 500% até 2050.

O relatório também disse que serão necessários impressionantes 3 bilhões de toneladas de minerais e metais para construir a energia eólica, solar e geotérmica, bem como o armazenamento de energia, necessários para manter o aumento da temperatura global abaixo de 2 graus Celsius.

O relatório disse que foram mais do que apenas os chamados minerais da bateria, como cobalto e lítio, que se beneficiarão, como cobre, alumínio, cromo e molibdênio, entre outros, que terão aumento na demanda.

O relatório do Banco Mundial não entrou em detalhes sobre a questão de onde todos esses minerais serão obtidos, mas disse que “os países em desenvolvimento ricos em recursos serão os principais contribuintes para o futuro da energia limpa, produzindo uma parte significativa da produção desses minerais estratégicos e fornecê-los ao mercado global”.

Embora o Banco Mundial possa estar correto na medida em que muitos países em desenvolvimento têm reservas viáveis ​​de muitos dos minerais necessários, a questão não é tão simples quanto convencer as empresas de mineração a explorar e desenvolver novas operações.

A realidade é que as jurisdições de minerações estabelecidas, como Austrália, Canadá, Estados Unidos e Chile, provavelmente receberão muito mais investimento do que os países em desenvolvimento.


A vantagem da Austrália


Embora a atual expertise mineral da Austrália esteja concentrada em ser o maior exportador mundial de minério de ferro e carvão metalúrgico, o país também tem outras vantagens significativas.

A Austrália também é o maior produtor mundial de bauxita, a base de alumínio, na qual ocupa o número cinco na produção global, de acordo com a agência governamental Geosciences Australia.

Também ocupa o quinto lugar na produção mundial de cobre e cobalto e possui a segunda maior reserva de cobre, cobalto, bauxita e ocupa o terceiro lugar nas reservas de lítio e terras raras.

Tendo se beneficiado da rápida industrialização da China, a Austrália é provavelmente o país mais bem colocado do mundo para explorar a mudança para as energias renováveis ​​nas próximas décadas.

O país ocupa uma posição de destaque na pesquisa anual do Fraser Institute sobre empresas de mineração para atratividade de investimentos, com o estado da Austrália Ocidental classificado como a principal jurisdição na pesquisa de 2019, divulgada em fevereiro.

O estado da Austrália do Sul, lar da enorme mina de cobre e urânio da Olympic Dam da BHP, ficou em sexto lugar, enquanto o território do Norte e o estado de Queensland também ficaram entre os 20 primeiros.

Vale ressaltar que os países desenvolvidos dominaram os 20 principais, incluindo os estados dos EUA do Alasca, Idaho e Arizona e as províncias canadenses de Saskatchewan, Ontário, Quebec e British Columbia.

O único país em desenvolvimento no Top 20 foi o país africano da Guiné e vários países em desenvolvimento com reservas minerais significativas, como República Democrática do Congo, Zâmbia, Tanzânia e Nicarágua, classificados entre os 10 primeiros.

O dinheiro do investimento tende a fluir para onde sente que produzirá o maior retorno em relação aos riscos envolvidos, e é nessa proporção que os países em desenvolvimento terão seu trabalho cortado.

A maioria deles recebe pontuações ruins em atratividade de investimentos por causa de corrupção endêmica, leis de mineração precárias e proteção dos investidores e infraestrutura fraca para apoiar o setor.

Embora países desenvolvidos como a Austrália e o Canadá estejam longe de serem perfeitos nesse aspecto, eles oferecem aos investidores consideravelmente mais certeza, e isso pode ser um fator decisivo no mundo pós-coronavírus, onde a certeza dos retornos pode superar o potencial de grandes recompensas em riscos locais.

Dado seu histórico, também é improvável que muitos países em desenvolvimento instituam as reformas necessárias e fortaleçam suas instituições ao ponto em que o dinheiro do investimento se sinta confortável.

Certamente, a Austrália pode fazer melhor, com a atual coalizão liberal-nacional conservadora no poder no nível federal, precisando mudar seu apoio mal considerado da mineração de carvão para as empresas interessadas nos minerais do futuro.

Mas mesmo os negócios usuais devem ver a maior parte dos dólares de investimento fluir para as jurisdições de mineração existentes no mundo desenvolvido, o que talvez seja menos do que o ideal, mas também a realidade atual.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP