A repercussão da mineração em alto mar


(Imagem: DeepGreen)


ACADÊMICOS E CIENTISTAS TEMEM QUE A MINERAÇÃO DO MAR PROFUNDO PODE DEVASTAR OS ECOSSISTEMAS FRÁGEIS QUE SE RECUPERAM LENTAMENTE


Várias organizações sem fins lucrativos estão pressionando agências internacionais na mineração de alto mar, após um novo relatório que alerta sobre possíveis danos irreversíveis aos estados insulares do Pacífico, incluindo Kiribati, Ilhas Cook, Nauru, Tonga, Papua Nova Guiné e Tuvalu.

"As evidências científicas acumuladas indicam que os impactos da mineração de nódulos no Oceano Pacífico seriam extensos, severos e durariam gerações, causando danos essencialmente irreversíveis", concluiu o relatório, encomendado pela Deep Sea Mining Campaign e pela MiningWatch Canada.


Nódulos polimetálicos - rochas ricas em metais do tamanho de batatas que se encontram em uma camada superficial de lama no fundo do mar - são consideradas ricas em cobalto, níquel, cobre, manganês e terras raras.

De acordo com o US Geological Survey, como o mar profundo é responsável por mais da metade da superfície do mundo, suas riquezas são várias vezes maiores do que as encontradas em todas as reservas de terra combinadas.

A DeepGreen Metals, uma startup canadense que planeja extrair cobalto e outros metais da bateria do fundo do mar, acredita que a mineração em alto mar tem o potencial de eliminar ou reduzir drasticamente a maioria dos impactos ambientais e sociais associados à mineração tradicional.

Ao contrário de outros mineradores do fundo do mar, a empresa não deseja perfurar, explodir ou cavar o fundo do oceano. Seu principal objetivo é recolher as pequenas rochas metálicas localizadas a milhares de metros de profundidade.

Os oponentes, no entanto, não têm certeza de que o método escolhido pelo DeepGreen seja tão inofensivo quanto parece.

"A DeepGreen promove a mineração em alto mar, criando uma grande riqueza com impactos mínimos ou nulos", disse Helen Rosenbaum, da Campanha de Mineração do Mar Profundo, em comunicado. “A ciência não suporta suas reivindicações. De fato, a melhor pesquisa disponível indica claramente que a mineração de nódulos do fundo do mar colocará os Estados insulares do Pacífico em grande risco. ”

É necessária mais pesquisa

As empresas de mineração que exploram o fundo do mar argumentam que a extração dessas riquezas profundamente enterradas poderia ajudar a diversificar as fontes atuais de metais das baterias.

Acadêmicos e cientistas, no entanto, estão preocupados com a falta de pesquisas sobre os possíveis impactos da mineração em alto mar.

"As expectativas de que a mineração de nódulos geraria ganhos sociais e econômicos para as economias das ilhas do Pacífico são baseadas em conjecturas", disse o relatório de 52 páginas divulgado esta semana por uma coalizão de 80 ONGs. "Os impactos da mineração nas comunidades e na saúde das pessoas são incertos e exigem rigorosos estudos independentes".

“Prevendo os impactos da mineração de nódulos polimetálicos do fundo do mar no Oceano Pacífico”, com base em 250 artigos científicos revisados ​​por pares e outros artigos relacionados, alerta para um impacto severo e duradouro nas espécies de peixes. Ele também afirma que a atividade pode representar riscos significativos para os ecossistemas marinhos devido à natureza interconectada do oceano.

A DeepGreen afirma que nenhum dos revisores tem um conhecimento profundo do setor de mineração, acrescentando que a maioria mantém uma postura pública em favor de uma moratória na mineração em alto mar.

A empresa também observa que nunca disse que sua técnica não teria impactos.

“Não existe mineração de impacto zero e a DeepGreen não reivindica o contrário (...) No entanto, vemos nódulos como uma oportunidade para comprimir os impactos desastrosos da mineração terrestre”, disse o MINING.COM em um email resposta ao estudo.

Há dois anos, o Parlamento Europeu pediu a proibição da mineração no fundo do mar até que sejam compreendidos os impactos e riscos ambientais de perturbar ecossistemas do fundo do mar.

Na resolução, também instou a Comissão Europeia a persuadir os Estados membros a pararem de patrocinar e subsidiar licenças para explorar o fundo do mar em águas internacionais e também em seus próprios territórios.

Logo depois, uma equipe internacional de pesquisadores publicou um conjunto de critérios para ajudar a Autoridade Internacional do Fundo Marinho (ISA), um órgão da ONU composto por 168 países, a proteger a biodiversidade das atividades de mineração em alto mar.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP