Preço do ouro recua depois da alta de 7 anos



O ouro caiu de um alto recorde de sete anos na segunda-feira, com os resultados iniciais de um teste de vacina contra o coronavírus mostrando resultados promissores, oferecendo um vislumbre de esperança de que um caminho para a recuperação econômica possa ser pavimentado.

Embora ainda em um estágio inicial e com base no pequeno tamanho da amostra, Moderna, a empresa de biotecnologia dos EUA por trás do desenvolvimento da vacina, disse que seus testes mostram sinais de que a vacina pode criar uma resposta do sistema imunológico no organismo que pode ajudar a combater o vírus.


O ouro à vista subiu 1,2%, para US $ 1.764,73 a onça durante as primeiras horas - a maior desde outubro de 2012 - mas desde então esfriou, sendo negociado a US $ 1.730,52 a onça a partir das 14h. HUSA.

Os contratos futuros de ouro para entrega em junho também subiram 1,0%, para US $ 1.775,8 a onça, antes de cair para US $ 1.734,50 na Comex em Nova York.

Recentemente, o ouro vem ganhando impulso devido às preocupações com uma segunda onda de surtos de 19 países, à medida que as economias tentam reabrir.

A Reserva Federal dos EUA disse em um relatório na sexta-feira passada que os preços das ações e dos ativos podem "sofrer um golpe significativo", se a pandemia se intensificar, reforçando o apelo do ouro como um porto seguro para os investidores.

Em uma entrevista, o presidente Jerome Powell alertou que uma recuperação econômica completa poderia se arrastar até o final de 2021, dependendo da entrega de uma vacina.

"Os preços dos ativos permanecem vulneráveis ​​a quedas significativas de preços, se a pandemia seguir um curso inesperado, as consequências econômicas se mostrarem mais adversas ou as tensões do sistema financeiro ressurgirem", afirmou o Fed no relatório.

Os dados também mostraram que as vendas no varejo e a produção industrial dos EUA caíram no mês passado, com a crise do coronavírus continuando a afetar o mercado de trabalho nos EUA. O relatório citou os imóveis comerciais como particularmente suscetíveis à queda nas avaliações porque "os preços eram altos em relação aos fundamentos antes da pandemia".

O ouro subiu 16% este ano, com os investidores se voltando para o ouro em busca de proteção, após a turbulência econômica criada pelo surto de coronavírus e a escala sem precedentes da resposta do governo para amenizar o declínio.

A possibilidade de novos cortes nas taxas de juros e a ameaça de inflação resultante também defenderam o metal, evidente nas participações recordes em fundos negociados em bolsa lastreados em ouro.

"O mercado continua especulando sobre taxas de juros negativas nos EUA e taxas de juros extremamente baixas e dinheiro barato em todo o mundo", disse à CNBC o analista do Commerzbank Eugen Weinberg. "Além disso, os medos da crise econômica estão surgindo, dados os dados muito fracos nos Estados Unidos e em outros lugares".

"Os mercados financeiros podem ser melhor descritos como faturamento no melhor cenário, com estímulos econômicos levando a uma rápida recuperação", disse Gavin Wendt, analista de recursos sênior da MineLife Pty, em entrevista à Bloomberg.

“A realidade provavelmente será bem diferente e existe a perspectiva de que nenhuma vacina seja desenvolvida. Provavelmente, a recuperação deve ser mais problemática do que os otimistas pensam, com o ouro se beneficiando do enorme aumento no suprimento de dinheiro que ocorrerá”, disse Wendt à Bloomberg.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2020 Student Chapter / Society of Economic Geologists / USP